10/02/2012

O Teorema de Stewart

O Teorema de Stewart relaciona os comprimentos dos lados de um triângulo com o comprimento de uma ceviana, sendo aplicável a uma ceviana qualquer. Neste post, veremos como determinar a fórmula e provar o teorema.

image

Um pouco de história

Matthew Stewart nasceu no ano de 1717 em Rothesay, na parte inferior do Firth of Clyde, na Escócia, numa pequena ilha chamada Ilha Bute.

Educado em Rothesay Grammar School, entrou na Universidade de Glasgow em 1734, onde estudou com o filósofo Francis Hutcheson e o matemático Robert Simson, com quem estudou a geometria antiga.

A amizade entre Stewart e Simson foi em parte pela admiração mútua de Pappus de Alexandria, resultando comunicações curiosas em relação ao De Locis Planis, de Apolônio de Perga e o Porisms de Euclides, por longos anos. Estas correspondências sugerem que Stewart passou várias semanas em Glasgow, iniciando em 1713 como auxiliar de Simson na produção de seu Apollonii Locorum Planorum Libri II, publicado em 1749.

Aproximadamente nesta mesma época, seu pai, o Reverendo Dugald Stewart, então Ministro de Rothesay, persuadiu Matthew Stewart a entrar para o ministério, sendo aceito pelo Presbitério de Dunoon em maio de 1744, tornando-se ministro em Roseneath, Dumbartonshire, um ano depois.

Porém, antes de iniciar sua carreira no ministério, Stewart participou de palestras de Colin Maclaurin na Universidade de Edimburgo, durante as sessões de 1742 e 1743.

Com a morte de Maclaurin em 1746, sua cadeira ficou vaga e pouco mais tarde, Stewart deixou o ministério para tornar-se professor de matemática. A publicação de sua obra mais famosa: Some General Theoremes of Considerable Use in the Higher Parts os Mathematics, pode ter ajudado a garantir o posto.

Esse livro, estende algumas idéias de Simson e trás a conhecida Proposição II, que hoje é conhecida como o Teorema de Stewart, que relaciona os comprimentos dos lados de um triângulo e o comprimento de uma ceviana dada.

Stewart também forneceu uma solução para o problema de Kepler, em 1756, usando métodos geométricos. Em 1761 descreveu o movimento dos planetas e a perturbação causada por um outro planeta. Em 1763 forneceu um suplemento sobre a distância entre o Sol e a Terra. Em 1772 sua saúde começou a deteriorar-se e faleceu em 23 de janeiro de 1785. Suas atividades como professor em Edimburgo foram assumidas por seu filho Dugald Stewart, que em breve tornara-se um proeminente filósofo escocês.

O Teorema de Stewart

O Teorema de Stewart relaciona os comprimentos dos lados de um triângulo com o comprimento de uma ceviana, sendo aplicável a uma ceviana qualquer.

Recordando, ceviana é todo seguimento de reta que tem um das extremidades num vértice de um triângulo e a outra num ponto qualquer da reta suporte ao lado oposto ao vértice.

Teorema: Seja um triângulo ABC qualquer, cujos lados medem a, b e c. Seja d uma ceviana e D o ponto pertencente à reta suporte. O teorema de Stewart afirma que:

clip_image004

Vamos fazer duas demonstrações deste teorema:

Demonstração 1: Considere o triângulo abaixo:

image 

Do triângulo BCD, temos que:

clip_image008

clip_image010

clip_image012

E também:

clip_image014

clip_image016

Substituindo (2) em (1), obtemos:

clip_image018

clip_image020

Do triângulo ACD, temos que:

clip_image022

clip_image024

clip_image026

E também:

clip_image028

clip_image030

Substituindo (5) em (4), obtemos:

clip_image032

clip_image034

Podemos montar um sistema de equações utilizando as relações (3) e (6):

clip_image036

Agora, multiplicamos a primeira equação por m e a segunda equação por n, obtendo:

clip_image038

Somando as duas equações termo a termos, resulta:

clip_image040

clip_image042

No entanto, temos que:

clip_image044

Desta forma, substituímos (8) em (7) obtendo a demonstração do teorema:

clip_image046

clip_image048

Demonstração 2: Considere o triângulo abaixo:

image

Seja θ o ângulo formado pelos segmentos m e d e θ' o seu suplemento. Desta forma, temos que cos(θ) = – cos(θ'). Pela lei dos cossenos, temos que:

clip_image052

clip_image054

Multiplicamos a primeira equação por n e a segunda por m, podemos eliminar os termos que contém cos(θ):

clip_image056

Somando as equações membro a membro, obtemos:

clip_image040[1]

clip_image058

No entanto, c = m + n. Logo:

clip_image060

clip_image062

Assim, conseguimos provar o Teorema de Stewart de duas maneiras elegantemente diferentes.

Exemplo: Vamos ver um exemplo clássico da aplicação do Teorema de Stewart: Sejam 3 circunferências tangentes duas a duas inscritas em uma quarta circunferências tangente às três primeiras. Calcular o raio x, conforme mostra a figura abaixo:

image 

Do triângulo ABC, podemos construir as seguintes relações:

clip_image066

clip_image068

clip_image070

clip_image072

clip_image074

clip_image076

Aplicamos o Teorema de Stewart:

clip_image004[1]

clip_image078

clip_image080

clip_image082

clip_image084

clip_image086

clip_image088

Que é o raio procurado.

Referências:

[1] Fundamentos de Matemática Elementar V9 – Geometria Plana – Osvaldo Dolce e José Nicolau Pompeo
[2] http://en.wikipedia.org/wiki/Stewart%27s_theorem
[3] http://en.wikipedia.org/wiki/Matthew_Stewart_%28mathematician%29
[4] http://www.gap-system.org/~history/Extras/Gibson_history_10.html


Veja mais:

O Teorema de Stevin 
Teorema da Base Média de um Triângulo
Teorema de Pitágoras Segundo Euclides - Proposição I-47

Sobre este Artigo:

12 comentários:

  1. Excelente post sobre a vida e o teorema de Stewart. O mais interessante foi usá-lo em um problema de tangência de circunferências. Parabéns e um grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Paulo. Como em muitas vezes constatado, existe muito pocuco material disponível em páginas brasileiras. Mal encontra-se a demonstração do teorema. Espero que ajude outros que buscarem informação desse matemático.

    Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  3. É a primeira vez que leio sobre este matemático e seu teorema! Fez um excelente trabalho de suprir esta lacuna de informação. Sem falar que a demonstração foi clara como cristal. ( Como sempre. )

    ResponderExcluir
  4. Agradeço suas palavras Aloísio. É um teorema útil e pouco difundido. Eu também não conhecia, mas quando li sobre, quis saber um pouco mais sobre o matemático que o desenvolveu. Fiz algumas pesquisas e gastei um tempo sobre o material coletado, resultando este trabalho.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde! Escolhi como tema de um trabalho meu, sendo aprovado darei seguimento ao mesmo! Obrigado por compartilhar o material que você conseguiu!

    ResponderExcluir
  6. Olá amigo,

    É um bom tema a se trabalhar, já que não tem muito material disponível. Isso dará uma bom resultado. Sugiro procurar em sites estrangeiros. Boa sorte!

    ResponderExcluir
  7. valeu cara me ajudou muito to estudando pro colégio naval e acho que vou visitar seu site com muita frequência

    ResponderExcluir
  8. Olá amigo,

    Obrigado pela visita e comentário. Espero que outros artigos o ajudem também.

    Um abraço e volte sempre.

    ResponderExcluir
  9. Muito útil seu artigo. Estou precisando de material para construir meu tcc e vc me ajudou mt com o teorema de stewart. Se tiver mais material sobre teorema de Simson, teorema dos olhos vesgos e teorema da meia corda, me ajudaria mais ainda. Desde ja agradeço.
    telma

    ResponderExcluir
  10. Enviei uma mensagem pelo facebook para ser respondida até a noite desta quarta-feira - é sobre este tema e o favor encontra-se inevitável de pedir...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diego, veja este pdf:

      http://sms.math.nus.edu.sg/smsmedley/Vol-31-1/Using%20Stewart%27s%20Theorem%20%28Willie%20Yong%20and%20Jim%20Boyd%29.pdf

      Excluir
    2. De fato, interessante...obrigado !

      Excluir

Sobre comentários:

1) Desde o dia 23/07/2013, todos os comentários passaram a ser moderados. Para maiores detalhes, veja a nota de moderação aqui.

2) É possível escrever fórmulas em $\LaTeX$ nos comentários deste blog graças a um script da Mathjax. Para fórmulas inline ou alinhadas à esquerda, escreva a fórmula entre os símbolos de $\$$; Para fórmulas alinhadas ao centro, utilize o símbolo duplo $\$\$$.

Por exemplo, \int_a^bf(x)dx entre os símbolos de $\$\$$, gera:
$$\displaystyle \int_a^bf(x)dx$$
3) Se desejarem visualizar as fórmulas em $\LaTeX$ antes de publicá-las, acessem este link.

4) Seguem alguns símbolos, caso necessitem utilizá-los:

α β γ δ ∆ λ μ Ω ο ρ φ χ ψ ξ ε η θ π ∂ ∑ ∏ ℮ ∞ ℝ ℕ ℚ ℤ Ø f◦g ½ ¼ ¾ ½ ⅓ ⅔ ⅛ ⅜ ⅝ ⅞ ² ³ ¹ º ₁ ₂ ₃ ₄ ≈ ≠ ≡ ∀ ∃ ⇒ ⇔ → ↔ \ ∈∋∧ ∨ ⊂ ⊃ ∩ ∪ − + × ± ∓ ÷ √ ∛ ∜ ⊿∟ ∠→ ↑ ↓ ↕ ← ≤ ≥

Seu comentário é o meu Salário!

REDES SOCIAIS

Blogs Recomendados

Últimos comentários

Arquivo do blog