28 de jul de 2010

O Código ISBN

$1)$ Uma Breve História do $ISBN$

Na Terceira Conferência Internacional de Investigação e Racionalização do mercado do livro, que se realizou em Berlim, em novembro de $1966$, foi debatida a necessidade e a viabilidade de um sistema internacional de numeração para identificar livros.

Centenas de editores e distribuidores na Europa, na época, consideraram a adequação do uso de computadores para o processamento e controle de estoque, e ficou claro que, para alcançar um eficiente sistema automatizado seria essencial ter um número de identificação único que fosse utilizado por todo o mundo.
Código Barra ISBNO sistema adotado, que ficou conhecido como $ISBN$ (International Standard Book Number) foi aprovado em $1970$ e é regulamentado pela ISO (International Organization for Standardization).

Em quase todos os países do mundo é utilizado o sistema $ISBN$ para identificação de publicações, atribuindo um número único para cada edição.

$2)$ A Estrutura

Até o fim de $2006$, o ISBN era composto por $10$ dígitos. A partir de $01$ de Janeiro de $2007$, passou a conter $13$ dígitos, para aumentar a capacidade do sistema, devido ao crescente número de publicações.

$3)$ $ISBN$ $10$ dígitos

Um código $ISBN$ de $10$ dígitos é sempre precedido das letras $ISBN$ e é dividido em quatro partes de comprimento variável, que devem ser separadas por hífen.

Exemplo 1: $ISBN$ $85 – 212 – 0298 – 9$

Dentro do código, temos:

$3.1$ Identificador de Grupo, País ou Área Idiomática

A primeira sequência do código identifica um país, região ou idioma participante no sistema $ISBN$. O Brasil faz parte do grupo de Língua Portuguesa e recebe o número $85$.

Todos os identificadores de grupo são atribuídos pela Agência Internacional do $ISBN$, em Berlim.

Do exemplo $1$ temos: $ISBN$ $85-\cdots$

$3.2$ Identificador de Editor

A segunda sequência do código identifica um editor específico dentro de um grupo. Geralmente indica a exata identificação da editora e seu endereço.

Os prefixos de editoras são atribuídos pela Agência $ISBN$ do grupo responsável pela gestão do sistema $ISBN$ no país, região ou grupo idiomático onde o editor é baseado oficialmente.

Do exemplo $1$, temos: $ISBN$ $85–212–\cdots$

$3.3$ Identificador de Título

A terceira sequência do código identifica uma edição específica de uma publicação de uma editora específica.

Do exemplo $1$, temos: $ISBN$ $85–212–0298–\cdots$

$3.4$ Dígito Verificador

A última sequência do código é o dígito verificador de um $ISBN$. É calculado em um módulo com peso $11$. O dígito pode variar de $0$ a $9$ e no caso do número $10$ é representado por $X$.

Cada um dos nove primeiros dígitos do $ISBN$ (excluindo o dígito verificador) é multiplicado por um número variando de $10$ a $1$, somado os produtos juntamente com o dígito verificador e este resultado deve ser divisível por $11$ com resto $0$ para que o $ISBN$ seja válido.

Do exemplo $1$, temos: $ISBN$ $85–212–0298–9$

image

Para verificarmos se o código $ISBN$ é um código válido, fazemos a divisão da soma dos produtos por $11$; se o resto desta divisão for zero, então o $ISBN$ é válido:
$$\frac{220}{11}=20\text{     ,com resto = 0}$$
Vemos que o código $ISBN$ acima é um código válido, pois o resto da divisão é zero.

O fato da soma dos produtos ser dividida por $11$ e não por um outro número qualquer vem da Teoria dos Números, pois estes algoritmos modulares só funcionam se o módulo for um número primo. Como nosso sistema de numeração tem base $10$, o primo mais próximo é o número $11$, o primeiro para o qual o sistema pode funcionar. Como o dígito verificador, ou dígito de controle é o complemento para $11$ da soma ponderada dos $9$ primeiros algarismos, este pode assumir o valor $10$, no entanto, o dígito verificador só tem $1$ algarismo e para cobrir esta possibilidade é utilizado o caractere $X$, representando o $10$.

A soma dos produtos do código $ISBN-10$ pode ser escrito sob a forma do somatório:
$$\sum_{\begin{matrix}
i=1\\
j=11-i
\end{matrix}}^{10}x_i\cdot p_j$$
onde $x_i$ são os algarismos do código $ISBN$ e $p_j$ é o peso que será multiplicado para cada algarismo do código.

Este algoritmo retorna um valor (resto) que é o verificador do $ISBN$. Podemos utilizar a função $\text{mod}$:
$$\left (10x_1+9x_2+8x_3+7x_4+6x_5+5x_6+4x_7+3x_8+2x_9+x_{10}\right ) \mod 11=0$$
$$\left (10x_1+9x_2+8x_3+7x_4+6x_5+5x_6+4x_7+3x_8+2x_9 \right ) \mod 11=x_{10}$$
Então, se a soma dos produtos de cada algarismo $x_i$ pelo peso $p_j$ dividido por $11$ for igual a zero, o $ISBN$ é um código válido.

$4)$ $ISBN$ $13$ dígitos

A partir de $1$ de Janeiro de $2007$, adotou-se o $ISBN-13$ dígitos, devido ao fato do crescente número de publicações, com suas edições e formatos.

O prefixo $978$ será adicionado ao código $ISBN$ e quando prefixo $978$ se esgotar, será dotado o prefixo $979$. Com isso, há uma codificação diferente e um novo cálculo é feito com os algarismos do código que agora é denominado como $ISBN-13$, tornando-se possível o uso do código de barras denominando EAN .

$4.1$ Dígito Verificador

Analogamente ao $ISBN-10$, para verificarmos se o $ISBN-13$ é um $ISBN$ válido, fazemos a multiplicação dos algarismos do código pelos algarismos de $13$, sequencialmente somamos os produtos e dividimos por $10$. Se o resto for zero, o $ISBN$ é válido.

Por exemplo, seja o $ISBN: 978 – 85 – 786 – 1063 – 0$, fazemos:

image
Este algoritmo retorna um valor (resto) que é o verificador do $ISBN$. Podemos utilizar a função $\text{mod}$:
\begin{matrix}
(x_1+3x_2+x_3+3x_4+x_5+3x_6+x_7+3x_8+x_9+\\
3x_{10}+x_{11}+3x_{12}+x_{13})\mod {10}=0\\
\end{matrix}
\begin{matrix}
(x_1+3x_2+x_3+3x_4+x_5+3x_6+x_7+3x_8+\\
x_9+3x_{10}+x_{11}+3x_{12}) \mod {10}=x_{13}\\
\end{matrix}
Então, se a soma dos produtos de cada algarismo xi pelo peso $p_j$ dividido por $10$ for igual a zero, o $ISBN$ é um código válido.

Veja mais:

Agência Internacional do ISBN

3 comentários:

  1. Muito bom kleber. gostei das explicações, ficaram bem didáticas. gosto muito de blogs do estilo do seu, assim como do fatos matemáticos, pois trazem conteúdos de primeira. um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela iniciativa, gostei muito das explicações, no BAIXAKI, tem um programinha que gera os codigos, da uma olhada. Abração... Adriano Gianolla.

    http://www.baixaki.com.br/site/dwnld41610.htm

    ResponderExcluir
  3. Olá amigo, obrigado pela dica!

    Um abraço e volte sempre!

    ResponderExcluir

Por favor, leiam antes de comentar:

▪ Escreva um comentário apenas referente ao tema;

▪ Para demais, utilize o formulário de contato;

▪ Comentários ofensivos ou spans não serão publicados;

▪ Desde o dia 23/07/2013, todos os comentários passaram a ser moderados. Para maiores detalhes, veja a nota de moderação aqui;

▪ É possível escrever fórmulas em $\LaTeX$ nos comentários deste blog graças a um script da Mathjax. Para fórmulas inline ou alinhadas à esquerda, escreva a fórmula entre os símbolos de $\$$; Para fórmulas centralizadas, utilize o símbolo duplo $\$\$$.

Por exemplo, a^2 + b^2 = c^2 entre os símbolos de $\$\$$, gera:
$$a^2+b^2=c^2$$
▪ Para visualizar as fórmulas em $\LaTeX$ antes de publicá-las, acessem este link.

Seu comentário é o meu Salário!

Redes Sociais

Arquivo do Blog

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...